Importante reflexão!!!


“Ninguém pode convencer ninguém a mudar. Os portões da mudança só podem ser abertos de dentro para fora”. Stephen Covey



Liberdade!!!

“Mesmo quando tudo parecer desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar; ir ou ficar; desistir ou lutar, porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir”. Cora Coralina.


Você está sendo uma boa companhia para si mesmo?

Crie, estimule, desenvolva o amor próprio! Nada mais saudável e feliz do que estar de bem consigo mesmo(a)!!!


Crenças....

Quais são seus pensamentos mais frequentes? Seus sentimentos mais predominantes? Quais ações são mais praticadas por você? A forma como você reage frente às adversidades, como se sente e percebe a situação, diz muito sobre você! Você conhece sua dinâmica?

 
l

Quem somos?


Estamos em um processo de construção contínua, nos surpreendemos com nossas ações, não aceitamos o que percebemos, negamos ou projetamos a dificuldade. O problema não é meu e sim do outro, como alternativa pode ocorrer uma somatização, portanto adoecemos. Aflora a insatisfação, com a própria existência, o que fazer? O desejo é de mudança, porém a mesma implica em sairmos da zona de conforto. Exige investimento, esforço, porém o mais importante é responder esta pergunta:
Quem é você? O que você deseja realmente?
Ressaltando a importância do autoconhecimento usarei um aforismo grego, citada por Sócrates, “Conhece-te a ti mesmo.” Este é o principio de tudo, para encontramos a satisfação e a alegria em viver, é fundamental este conhecimento, de quem somos.
Partindo da premissa de Freud, “Não somos apenas o que pensamos ser. Somos muito mais, somos também o que lembramos e aquilo que nos esquecemos; somos as palavras que trocamos e os enganos que cometemos; os impulsos a que cedemos, sem querer”.
Somos tudo isto, desvendar o nosso próprio enigma é fascinante. No processo terapêutico temos a oportunidade de mergulharmos em nossas contradições, medos, inseguranças, nas raivas enferrujadas e nos desejos negados, muitas vezes estrangulados. Comparo ao processo de renascimento, assim passamos a olhar para o nosso interior de forma carinhosa e corajosa. Descobrimos que somos muito o discurso do grande outro, dos desejos da mãe, do pai, de parentes, vizinhos e da sociedade, e muito pouco dos nossos reais desejos.
​Lembro então do grande poeta Fernando Pessoa, em um de seus poemas, pontua “procuro despir-me do que aprendi, procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram, e raspar a tinta que me pintaram os sentidos, desencaixotar as minhas emoções verdadeiras, desembrulhar-me e ser eu”
​Está é a grande conquista, ser eu mesma(o).Reconhecer minhas aptidões, qualidades, desejos e deixar aflorar o ser real. Ressaltando a importância de acreditar nas possiblidades do querer e da busca com determinação. Fortalecer-me na crença que serei capaz de alçar meu legítimo voo, nas asas da liberdade reconstruindo minha história.

Claudete Morais
“A angústia surge do momento em que o sujeito está suspenso entre um tempo em que ele não sabe mais onde está, em direção a um tempo onde ele será alguma coisa na qual jamais se poderá reencontrar” Lacan.


Mais um curso realizado! Atualização sempre!!!

Minha participação no curso em Psicologia Clínica com a temática de realidade virtual ficada na fobia social de desempenho - medo de falar em público. Este curso foi realizado em São Paulo no ano de 2015, com a presença dos professores Tito Paes e Cristiane Gebara.

Você sabe a importância da psicoterapia?

A psicoterapia além de intervir na melhoria do quadro clínico de determinada psicopatologia ou sofrimento, auxilia também no processo de autoconhecimento. Você conhece seus sentimentos mais predominantes? Como se sente e age frente às adversidades da vida?


Formação EMDR!

Com colegas do curso de formação em EMDR (dessensibilização e reprocessamento por movimentos oculares) concluído em 2015.

A sabedoria do silêncio!


“Existe no silêncio, uma tão profunda sabedoria que às vezes ele se transforma na mais perfeita resposta” (Fernando Pessoa).


Você já falou de seus sentimentos hoje?



Pense nisto...


“O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós” Jean Paul Sartre.

Pensamento Freudiano!!!


Você já sentiu medo de Falar em Público? Este sentimento já o prejudicou?


Caso tenha sentido medo, você não é o primeiro, pois é alto o índice de pessoas com este Transtorno de Ansiedade Social (TAS), também denominado como Fobia Social, (FS). É considerado o terceiro problema de saúde mental mais frequente, atrás da depressão e do abuso de álcool (Furmak, 2002). É altamente limitante, provocando intenso sofrimento e rebaixamento da autoestima, levando fóbicos sociais a desistência de seus cursos acadêmicos e projetos, profissionais.
Ao longo da minha vida profissional, pude constatar a angustia de muitos universitários que apresentavam (FS). Aflorou então, o desejo de pesquisar sobre o tema e de buscar intervenção terapêutica com resultados mais eficazes e de curta duração, partindo dessa premissa elegi esta temática, para a pesquisa de minha tese de doutorado.
A (FS) é caracterizada pelo medo excessivo e recorrente, diante de situações sociais ou de desempenho. O fóbico social teme que os outros possam julgá-lo como inadequado, esquisito, ou diferente. As situações mais temidas são: falar em público, iniciar e manter conversas com pessoas desconhecidas, etc.
Apresentam com frequência sintomas somáticos, tais como: taquicardia, palpitações, tremor na voz ou mãos, ruborização, sudorese, tensão muscular, mal-estar gástrico, náuseas, urgência em urinar, boca seca, calafrios, cefaleias, dificuldade para respirar e dor no peito. Dificuldades de expressão do pensamento, no uso das palavras corretas. O elevado grau de ansiedade e suas crenças negativas limitam suas atuações em ambientes sociais. Apresentam posturas rígidas, evitam as situações temidas e buscam o isolamento. 
Os estudos pontuam os desencadeadores da Fobia Social, como decorrente de uma somatória de aspectos: genéticos, neurobiológicos, cognitivos, comportamentais, ligados a interações sociais e eventos traumáticos, tais como: bullying e outras humilhações sofridas, portanto são inúmeras as causas que podem suscitar este quadro e devem ser identificadas.
O que perturba o ser humano não são os fatos, mas a interpretação que ele faz destes (Epitecto , século I). 

Refletindo...

“Não somos apenas o que pensamos ser. Somos mais, somos também o que lembramos e aquilo que nos esquecemos; somos as palavras que trocamos, os enganos que cometemos, os impulsos a que cedemos, sem querer.” Freud